segunda-feira, 1 de abril de 2013

Milagre na Rua Mário Carpenter

O que será que se esconde por trás da Rua Mário Carpenter? Fui até a rua e fiz um tour para descobrir as respostas que estão escondidas junto com seus segredos - e que devem ser revelados antes que eu prosseguisse o passeio em outro lugar do Gonzaga em Santos. Mas antes, fui ver na entrada da Rua Mário Carpenter o que anda rolando por aí.


Vi na copa da árvore, lá em cima, uma fonte extraordinária: a Fonte dos Anjos. O cara chamado Ataliba Ferreira, de 45 anos, viu essa maravilha que vem da copa da árvore. Dizem por aí que da Fonte dos Anjos, entram e saem anjos do Senhor, por todos os lados. (Sabe aqueles pontinhos coloridos e luminosos em forma de vagalume que flutuam, voam e avisam que tudo de bom acontece além do milagre?) Quando eu vi uma fonte angelical na copa da árvore e os anjos voando em redor dela como vagalumes, era sinal de algo bom! Por isso fui correndo até onde está o Ataliba, o cara que estava falando com um amigo no iPhone dele.

 

Ataliba estava falando com o amigo dele, Fabrício, quando de repente ouvia-se uma música dos Carpenters da janela do 1º andar na lateral com balaustre meio que art-déco, mas clássico. Era Karen, que estava cantando para um dos moradores daquele prédio da Avenida Washington Luiz (Canal 3) esquina com a Rua Mário Carpenter. O que Ataliba nem imaginava era que, ao invés daquele vizinho do 1º andar, apareceu um anjo: trajando vestes luminosas (um lindo vestido), brancas e de matizes suaves, com tons perolados e prateados com detalhes rosa-acetinados (tudo angélico), usando um lindo penteado com mechas acobreadas e uma maquiagem com tons angelicais e luminosos e gloss nos lábios e dona de uma voz angelical - linda da cabeça aos pés. Era Karen, um anjo que veio do céu para nos ajudar. Mal acabara de terminar esse telefonema no iPhone, Ataliba viu o anjo Karen na janela do 1º andar! Logo ele conheceu o anjo Karen e os dois se tornaram amigos. Enquanto prossegue nosso passeio, claro!

Ataliba mostrou para Karen as duas palmeiras instaladas na Praça João Miguel Kodja, que cruza as duas ou três ruas. As duas palmeiras de uma praça pequena servem como portal de acesso daqui até ao mundo celestial. Mas será que Ataliba descobriu essa? (Até então nenhuma palmeira foi usada, mas só agora sabemos que há um segredo escondido a ser descoberto por trás desse "portal".) Karen e Ataliba então entram no "portal" e vão parar num lugar celestial onde tem um jardim imenso e paradisíaco (e todos os outros jardins floridos) por toda a parte, uma arquitetura retrofuturista e lounge que lembra os momentos mais suntuosos da era contemporânea (a partir dos anos 70) e meio que mais avançada que eu suponho (década de 2030, conforme previsto), o clima é ensolarado, com céu azul bonito (e, ao meu ver, quase feérico) e onde vivem seres angélicos (os mesmos vistos em forma de vagalumes quando estão na Fonte dos Anjos), tanto quanto Karen.


Ataliba e seu anjo Karen visitam a cidade celestial e - a pedido da própria Karen - os vagalumes são convertidos de volta em seres angélicos que trajam vestes luminosas também. Entre eles estão Anael e Uriah, dispostos a ajudar os dois - e também qualquer morador da Rua Mário Carpenter - a revelar segredos escondidos. (Anael e Uriah são seres angélicos em forma de meninas de 5 a 8 anos, repare bem!) Estes acompanham Ataliba e Karen até a residência, exatamente na sala de estar, pintada de tons pastel. Ataliba é muito bem recebido por eles durante a visita.

 

Enquanto isso, na Rua Mário Carpenter, os amigos do Ataliba - Murilo, Laura, Ana Paula e Cauã - estavam passeando pela rua ao ver essas duas palmeiras em plena praça João Miguel Kodja, mas ao tocar naquela "parede multidimensional" que fica entre ambas as palmeiras, se deram conta que era mesmo o "portal com acesso ao céu"! Ninguém entrou naquele "assim-chamado portal"; em vez disso foram até o lado de fora do Biblos Residence (onde Ataliba mora no 1º andar) esperando pelo Ataliba. Foi quando eu fui lá avisar aos quatro: "Calma, gente! Ataliba, o amigo de vocês, está com o anjo Karen em cima. Ele está pronto a descobrir o segredo desta rua e quando ele voltar, ele vai revelá-lo pra vocês em primeira mão." Eles entenderam tudo.

 

Enquanto isso, Ataliba recebe de Karen um diamante angélico e depois é conduzido de volta a nossa rua - junto com Karen e os outros seres angélicos Anael e Uriah - e passando pelo portal verde (um tipo de copa da árvore cruzada com a outra que forma o portal). Chegando na nossa rua, Ataliba convida o anjo Karen a passear pela orla da praia do Gonzaga; andaram pela praia por volta das 14:15 (-3 GMT). De vestido branco que valoriza seu maiô branco-dourado, Karen cata conchas a beira-mar com Ataliba (de bermudão) e lembra daquele verão de 1970 quando ela, na época em vida e com 20 anos, catava conchas na praia californiana com seu irmão mais velho, Richard. "O mar é lindo e é como se fosse uma música", diz Karen para Ataliba, referindo às ondas do mar. "Quando eu vim á Terra, eu nunca vi uma coisa assim… essa praia sonolenta e as ondas do mar tão calmas naquela tarde ensolarada de verão…" E Karen conclui: "Sinto-me, depois de todos esses anos… eternamente jovem."

Ataliba e o anjo Karen voltam para a Rua Mário Carpenter. Só que Ataliba é quase agredido a pancadas por um marginal, e ele fica ferido e machucado. O anjo Karen expulsa o marginal da rua, leva Ataliba ao jardim celestial (fazendo o mesmo trajeto do portal da Praça João Miguel Kodja para o jardim celestial a cem metros distante da cidade celestial) e deixa Ataliba sentado na grama do jardim, pois não suportará vê-lo ferido. O anjo Karen pede a Anael e Uriah que lhe traga remédios para possíveis curas e eles fazem exatamente como tinha mandado. Karen faz uma cura milagrosa com as mãos nos ferimentos e hematomas, assim salvando a vida de Ataliba, que fica bem. Ataliba e o anjo Karen, acompanhados por Anael e Uriah, são conduzidos de volta a nossa rua novamente pelo portal verde, assim voltando para o Biblos Residence. Só assim o segredo é revelado e o milagre feito (conforme vejo enquanto prossigo o passeio pela rua). Karen, antes de partir para o céu com seus dois seguidores, diz a Ataliba: "Quando você olhar para cada orquídea-traça branca de seu jardim e aonde você for, ou quando você olhar pra estrela que brilhar no céu, você vai se lembrar de mim com ternura." E Karen partiu para o céu. Ataliba, que descobriu o segredo desta rua, sente em seu coração que tem a certeza do que fez; mesmo com tanta dificuldade, tinha razão.



Terminando meu passeio na Rua Mário Carpenter, vi que Ataliba foi quem viu o milagre acontecer positivamente. E foi assim que ele guardou o presente que o anjo amigo (ou amiga) Karen lhe deu. Reencontra Murilo, Laura, Ana Paula e Cauã (seus melhores amigos) e acaba por voltar a fazer altas amizades. Eles contam um ao outro como esse milagre ocorreu e como e por que motivo o segredo foi revelado e o milagre ocorrido. Antes de deixar a Rua Mário Carpenter com destino ao Gonzaga onde vou passear bastante, vi o Ataliba voltando pra casa, pro Biblos Residence, feliz da vida, por ver esse milagre que rolou em plena rua. Nunca houve um milagre como esse por lá…


Versão original do audiolivro




Baixar em Mp3 pelo 4shared


Baixar Mp3 pelo Mediafire



Versão estendida do audiolivro




Baixar em Mp3 pelo 4shared


Baixar em Mp3 pelo Mediafire



Trívia:

O conto Milagre na Rua Mário Carpenter foi escrito e criado como rascunho no dia 20 de fevereiro de 1995, naquele mesmo verão brasileiro. A história é ambientada em Santos, São Paulo (Brasil) - justamente na Rua Mário Carpenter, assim sendo o primeiro conto a ser ambientado em qualquer lugar do Brasil e trazer personagens brasileiros, algo nunca visto antes na coletânea.

Este conto apresenta Ataliba Ferreira, um morador daquela rua há muito conectado com os anjos e muito amigo de Karen, e outros personagens brasileiros: Murilo, Laura, Ana Paula e Cauã, os amigos de Ataliba. Também mostra o que rola numa rua através da narrativa (aos meus olhos), sempre contando com a companhia dos anjos. Anael e Uriah são um deles.

O anjo Karen Carpenter é o mesmo que visitou sua sobrinha Mindi em Karen e Mindi: Uma História de Natal. Aqui, ela aparece para Ataliba, a quem Karen acompanha durante o passeio pela rua a uma quadra da orla de Santos e pronto a descobrir segredos milagrosamente por trás da rua.

Sobre o conceito e enredo: em 1994 (quando eu tinha 16 anos), fui á Rua Mário Carpenter de vinil na mão e pedi para minha mãe tirar quatro fotos comigo exibindo orgulhosa a capa e contracapa do álbum The Best of Carpenters (relançado em CD e download digital de música pela Universal Music) - e onde mostra a placa com o nome da rua. Não demorou muito e logo comecei a escrever o "rascunho" do conceito e do enredo (e depois, do conto).

No conceito original, seria Roberto David, e não Ataliba Ferreira, que seria amigo do anjo Karen.

Ainda no conceito original, havia uma cantora de pagode de maior sucesso que seria a nêmese de Karen, Cristina Monteiro, cujos hits "Santa Madrugada" e "Você é o meu sucesso" fizeram sucesso nas rádios em meados dos anos 90. Mas Cristina Monteiro, que lançou seus dois ou três álbuns durante três anos, entrou no anonimato, e a própria vida dela imitou a arte simultaneamente em 1998. Resultado: essa personagem/artista foi eliminada deste conto.

Nunca há dois protagonistas angélicos em forma de rapazes com menos de 30 anos (Cherubim e Ângelo) neste conto. Dois personagens angélicos em forma de garotinhas de 5 a 8 anos de idade (Anael e Uriah) foram incorporados ao conto (em plena década de 2010, 19 anos depois da angelomania, a febre dos anjos que ocorreu em 1994).

O conto, cujo rascunho foi escrito em 1995, seria um trampolim para a criação de uma nova minissérie de sete capítulos, baseada nas aventuras milagrosas de Ataliba e seu anjo Karen nos anos 2010. Mas a ideia não decolou.

Sobre o audiolivro: gravei com a câmara embutida do meu iPhone (e filmei) todos os detalhes da Rua Mário Carpenter no dia 30 de março de 2013 (e postei no YouTube poucos dias depois). Eu gravei a parte do diálogo de 3 a 4 de abril. Mixei esta seleção de faixas no dia 5. Este audiolivro é o primeiro disponível em duas versões: a original e a estendida (a segunda delas, mixada e masterizada em estéreo digital).

Tem mais: o conto termina com Ataliba voltando para casa (Biblos Residence), feliz da vida, enquanto "vou ao Gonzaga passear, ao som da música do Skank, 'Sutilmente'". O ano é 2013. O milagre, que era para ter ocorrido em 1995, ocorreu neste ano.

A frase "sinto-me… [eternamente] jovem" foi tirado da última linha do Capitão (e Almirante) Kirk em Jornada nas Estrelas II: A Ira de Khan (Star Trek II: The Wrath of Khan, 1982), aquele que termina com Kirk vendo o Planeta Gênesis a bordo da nave Enterprise (mesmo depois que Spock morre). A frase "sinto-me jovem" dita por Kirk era a fonte de sua juventude (ou a fonte da juventude dela, segundo a interpretação do anjo Karen, no conto.