terça-feira, 29 de julho de 2014

À procura de um amigo pra lá de gentil

Essa é uma das minhas crônicas pra terminar o mês de julho (e começar o mês de agosto!). A crônica (e conto também) fala de Akiko, uma bela secretária que, mesmo depois de perder seus 2 respectivos amigos, ela supera as dificuldades só pra conhecer um alguém para ser seu amigo verdadeiro. É uma história meio que fictícia, mas aqui vai! 

Por esse tempo Akiko deixou a universidade de Tōkyō depois de completar o doutorado em astronomia e foi morar na casa de um cara chamado Hideki Yamada, sobrinho em segundo grau de Minoru-san. Ali Akiko conheceu dois rapazes gringos: o cantor russo Vitas e o artista chinês Huang Wu. E ela também conheceu Kiyoshi, que naquela noite conheceu Akiko, que "é irradiante como a lua e brilhante como as estrelas". Akiko estava em Tōkyō quando ela conheceu seus pretendentes. 
Akiko e Vitas se conheceram virtualmente pelo site da internet e postou no livro de visitas o quão precisava da estrela dele e que esse russo viria ao Japão pela primeira vez e de pronto. Ninguém da vizinhança gostava da vida sofredora entre uma japonesa e um russo que um deles levava e por isso - por ordem do produtor Sergey Pudovkin - Vitas foi expulso do Japão e o concerto de Vitas foi cancelado no mesmo país. Então Hideki disse a Akiko:
- "Akiko-chan, não chore! Tu vai conseguir um alguém gentil pra ser teu amigo! Tente o Wu, e você vai ser feliz como a melhor amiga dele!"
Mas Wu sabia que essa garota não seria sua melhor amiga. Por isso, sempre que armava brincadeiras de mau gosto e até zuava com Akiko com seus blá-blá-blás do tipo "Akiko tá é sem kimono!", ele deixava impedir Akiko de encontrar a pessoa pra ser o amigo dela. A vizinhança toda ficou desgostosa com o que Wu andou fazendo com a coitadinha da Akiko e o mandou embora também. Então Hideki disse a Akiko:
- "Volte pra sua casa e continue cuidando da casa até você conhecer a sua pessoa que você deseja pra ser seu melhor amigo. E se for o Kiyoshi que te viu na noite passada, melhor ainda: 'cê vai conhecê-lo!"
Ele disse isso porque tinha medo que tanto seu pretendente quanto Kiyoshi fossem encurralados, como havia acontecido com os outros dois caras. Assim, Akiko voltou pra casa.
Passados dois meses, Ryouko, a esposa de Hideki, morreu de câncer da mama. 

Uma semana depois do luto, Hideki foi até a província de Okinawa pra passar o fim de semana lá. Alguém disse a Akiko que seu chefe viajou e vai demorar a voltar e que Kiyoshi está esperando Akiko no matsuri das estrelas (Tanabata), em pleno concerto. Então ela trocou de roupa, deixando de lado sua blusa preta e uma calça jeans, e vestiu sua yukata, um tipo de kimono. Em seguida foi até ao mesmo concerto (ingresso na mão e leque na outra), onde estava seu pretendente. Ela fez isso porque sabia muito bem que um outro pretendente, Reiji, já era um homem feito, mas Hideki-san não havia mandado que Reiji fosse amigo homem da Akiko se não fosse Kiyoshi, seu amigo homem.

Quando Kiyoshi a viu, ele ficou admirado com aquele olhar, aquele sorriso, aquele rostinho lindo e tudo muito bonito e brilhante nela (veio aí a música "Hoshizora no Akiko", hit de Kiyoshi Hikawa em 2002). Ele disse:
- "Você é aquela mesma garota de antes?"
Ela respondeu:
- "Sou eu sim. Lembra daquela vez em que você me conheceu?"
Ele respondeu:
- "Tá na cara que sim. Foi ontem a noite. 'Cê tá ainda mais linda do que nunca! Qual é o seu nome?"
Ela respondeu:
- "Akiko. Me chamam de Akiko do Céu Estrelado desde que você me viu. E o seu, como se chama?"
Ele respondeu:
- "Eu sou Kiyoshi. Podemos ser amigos?"
- "Sim" - disse ela. - "E por favor deixe alguma coisa comigo como uma lembrança da nossa grande amizade."
Kiyoshi perguntou:
- "O que você quer que eu te dê?"
Akiko respondeu:
- "O seu leque dupla-face que você tem na mão e aquela jaqueta-kimono Sōran Bushi que tu trouxe de Hokkaidō."
- "Tá legal" - respondeu Kiyoshi. - "Eu vou te dar de presente. A fim de curtir comigo?"
E Akiko respondeu: "Sim!"
Então Kiyoshi deu os presentes para Akiko. Tornaram-se amigos e passaram a noite do Tanabata inteira se divertindo muito. No dia seguinte tiraram muitas fotos em vários cantos de Tōkyō. Depois Akiko voltou para sua casa com o e-mail dele anotado no papel, os presentes e até uma lembrancinha do festival do Tanabata, tirou a yukata e vestiu suas roupas casuais.
Mais tarde em Okinawa, Hideki verificou pelo Google Maps (e via internet) onde exatamente sua secretária Akiko está. Aí ligou pro seu amigo Takashi, o mandando procurar a assistente dele Akiko com os presentes que ela ganhou do Kiyoshi, mas Takashi não a encontrou. Quando Hideki voltou para Tōkyō, ele perguntou ao pessoal se sabiam onde estava Akiko no matsuri de ontem a noite.
- "A sua secretária que esteve aqui no matsuri de ontem agora já tá com Kiyoshi, o amigo dela. Mas nem sabemos onde ela tá" - foi a resposta deles.
Takashi voltou e disse a Hideki:
- "Não encontrei Akiko no meu escritório. E o pessoal daqui disse que Akiko tá é na residência do Kiyoshi-kun."
Então Hideki disse:
- "Pois Akiko-chan que fique com o amigo dela e as coisas dele, pois ela finalmente encontrou Kiyoshi-kun como um amigo gentil pra ela. Assim ninguém vai zombar da gente. Eu arrumei meu "sobrinho em segundo grau" pra ser amigo dela, mas você não encontrou aquela mina."
Quatro dias depois, foram dizer a Hideki:
- "A sua secretária tá bancando a musa inspiradora do Kiyoshi e agora, além de amiga, ela também é assistente dele."
Aí Hideki disse:
- "Queiram trazer Akiko-chan pra cá pr'eu dar um puxão de orelha nela!"
Quando a estavam tirando da casa de Kiyoshi, ela mandou dizer ao seu patrão: "Quem me deu isso de presente foi meu amigo que eu conheci na noite do Tanabata. Examine e veja de quem são o leque dupla-face e a jaqueta-kimono Sōran Bushi." Hideki soube que as coisas que ele viu era de Kiyoshi, seu sobrinho em segundo grau, e disse:
- "A Akiko-chan está mais certa do que eu, porque antes dela conhecer o amigo dela Kiyoshi (meu sobrinho em segundo grau), prometi que Akiko-chan conhecesse o Reiji-kun, mas não cumpri a promessa."
E jamais teve chance de conhecer Reiji, pois Akiko, à essa altura, já estava com seu amigo Kiyoshi.

Na hora que Denka: Hoshizora no Akiko foi lançado, Akiko descobriu que seu nome foi mencionado na música, primeira faixa do CD de seu amigo! E ele lembrou-se da amizade de Akiko que ele escreveu um bilhete de agradecimento à sua amiga Akiko, anexado ao seu CD, que ela acaba de receber. O bilhete dizia:

Akiko do céu estrelado,

Muito obrigado pela grande amizade mútua que temos um pelo outro. Espero que goste deste CD que te estou presenteando. Ah, e se precisar de mim pra qualquer coisa, me liga: estou à seu dispor.

Seu, cordialmente,
Kiyoshi

P.S.: Faça valer a pena! 


P.S.: Apesar da crônica ser baseada em coisa real, os nomes são fictícios (à exceção de Kiyoshi, que só é mencionado pelo primeiro nome). Qualquer semelhança ou comparação entre ficção e vida real nesta história (e entre pessoa e personagem) é mera coincidência.