sexta-feira, 25 de julho de 2014

Eles também apontam para as estrelas do céu

Você já apontou as estrelas da primeira vez que você viu uma estrela no céu? Eu já. E assim como aponto as estrelas alcançando minhas metas (e sendo inspirada nelas) - lembre-se do que a romena Maria Alexandra, a Alex, disse: "Aponte as estrelas, meu amor!" - , um monte de gente (alguns famosos, quer sejam famosos ou não) seguem o mesmo exemplo - e a mesma inspiração. Mencionemos três celebridades da música: um russo-letão, um japonês e uma britânica que me inspirou o canto lírico, claro! 



Vitas, 35 anos, olhou para uma estrela e apontou pra ela. Ele ficou tão fascinado pela estrela que, depois de ter superado a morte de sua mãe, Dona Lília, resolveu compor A Estrela em seu piano e escreveu apenas o refrão. Pediu pro Dmitry Plachkovsky escrever três versos (o segundo e o terceiro antes do refrão). Não demorou muito e logo ele gravou sua canção em setembro de 2002 para seu CD Mamãe (Mama, 2003). O clipe da canção foi filmado e produzido em alta definição (1080i; 16x9 Widescreen) em plena rodovia de Moscou (toda coberta de neve) no inverno de 2002/2003. (E ele apontou para uma estrela!) Como resultado, a música foi lançada em 2003 e fez muito sucesso a partir daí. O sucesso foi tanto que a canção começou a estourar também na China (Vitas se apresentou em Sichuan, onde o clipe da mesma canção foi produzido) e em 2011 teve sua versão remix atualizada. Aqui no Brasil, a música chegou em 2009, no final da década de 2000. A música era cantada em russo. Todos adoraram a minha primeira versão, mas minha mãe não gostava e sugeriu que eu fizesse uma versão em português, e foi no que eu fiz: fiz a versão em português, chamada A Estrela  e gravei três "takes" (o primeiro em 2009 e o segundo no primeiro meado de 2011) - e o vídeo da minha versão foi lançado no YouTube em 19 de julho de 2011 (o ano do meu 33º aniversário)! - até que eu gravei o terceiro "take" definitivo em setembro de 2011, assim sendo meu primeiro download digital de música, a mais baixada (e a mais acessada) pelos internautas de todo o Brasil e outros países. Tanto a música quanto o vídeo da canção A Estrela (versão em português de uma música de Vitas) ainda está bombando em tempo real até hoje quando cantado por mim, e vai ser a faixa do meu CD e Digital de estreia, Perseguidora de Sonhos

"Você deveria esperar qualquer coisa pra você neste mundo.
- Vitas




Kiyoshi Hikawa, 36 anos (37 completos em 6 de setembro), também seguiu o mesmo exemplo: seu single, Hoshizora no Akiko ("Filho Outonal do Céu Estrelado" na tradução literal, "Akiko do Céu Estrelado" na tradução livre) - lançado em 21 de agosto de 2002 - e seu álbum de estúdio, Denka: Hoshizora no Akiko (A Constelação: Akiko do Céu Estrelado) - lançado em 20 de novembro daquele mesmo ano - , abordam o mesmo tema: nesse caso, a temática são as estrelas, o cosmos, o espaço mais distante. Conta a letra da música que Kiyoshi, ao conhecer Akiko (sua namorada) sob o céu estrelado, descreve-a como uma garota brilhante e radiante como uma estrela e iluminada como a lua - daí o nome. Conforme diz a letra:

"Ela mesmo sonhou de novo com o florescer do amor em seu redor durante a noite estrelada, porque a minha garota  é tão reluzente quanto essa estrela. Akiko tem aquele olhar… aquela voz… aquele sorriso… e mais."
- "Hoshizora no Akiko" (Akiko do Céu Estrelado)

Além de "Hoshizora", outra música presente no mesmo CD é Yume Ginga (A Galáxia dos Sonhos), dessa vez a canção fala de como perseguir sonhos, voando mais alto pelas estrelas do céu (e mais além) em busca do milagre do amor, que fica distante dezenas de milhares de anos-luz daqui - voando entre Cassiopeia e Órion, e assim por diante. Os clipes de 2 canções do mesmo álbum foram filmados ás pressas (bastavam 2 ou 3 semanas para produzir os 3 clipes antes da pós-produção) - e em formato Padrão 4x3 (remasterizado digitalmente e depois com nova transferência digital de tela Padrão para Full HD 1080i 16x9) - porque Kiyoshi tinha que gravar seu próximo hit, Kiyoshi no Zundoko Bushi. Fiquei emocionada ao ouvir Kiyoshi cantar essa bonita canção cheia de esperança e amor, que menciona "milagre do amor" (eu adoro a letra "milagre do amor" porque a música me toca o coração) e menciona também seis estrelas e constelações: Cassiopeia, Órion, Perseu, Sírius, Andrômeda e Pégaso. 

Uma bonita canção.

E o sucesso de Hoshizora foi tanto que, 11 anos mais tarde, Kiyoshi repetiu a dose: dessa vez lançou Manten no Hoshi (A Estrela Celestial), em que fala do mesmo tema. Mesmo romance, mesmo céu estrelado. Dessa vez o clima tem um clima de celebridade hollywoodiana, mas ambientado sob o céu noturno e estrelado de Tōkyō (conforme você vê nos 3 fotoprints), desde que mantenha o mesmo tema de antes. (Manten no Hoshi foi lançado em 2013, no mesmo ano que Dreamchaser da Sarah Brightman!) Manda ver, Kiyoshi-san! 



E não é a toa que Kiyoshi é um astro do enka e tanto!

"Se as estrelas caírem bem no topo do planalto, 
Eu vou voar mais alto pelo céu
Pela constelação afora
Entre Cassiopeia e Órion
E amanhã também prosseguirei ainda a jornada pelo infinito."
- Kiyoshi Hikawa, "Yume Ginga" 




E por falar nas constelações de Vitas e Kiyoshi Hikawa, a diva inglesa Sarah Brightman, 53 anos (vai fazer 54 em agosto) - que inspirou e inspira ainda meu canto lírico - tinha 18 anos quando fez sucesso com seu hit britânico de estreia, I Lost My Heart to a Starship Trooper, uma canção pra lá de space disco - e que 35 anos mais tarde, seria um ponto de partida para seu novo trabalho. Seu nome: Dreamchaser (2013), cuja temática são estrelas, cosmonautas e viagens espaciais. Quando comprei o CD (e posteriormente baixei o digital) da Sarah, a primeira faixa que comecei a escutar foi mesmo Angel. E tive tanta fascinação pelo trabalho e pelo tema estelar que eu peguei uma carona nessa inspiração nas estrelas e no cosmos sem sair de casa. Além da primeira faixa, o álbum inclui também músicas como One Day Like This (Um Dia Assim) e Glosóli (Pois Que o Sol Brilhe; versão em inglês de um hit finlandês). Também inclui músicas como A Song of India (Canção do Visitante Hindu, da ópera Sadko de Nikolai Rimsky-Korsakov; mas cantada em francês em vez do russo!) e as faixas-bônus: Kaze no Toorimichi, de Joe Hisaishi, do filme Meu Vizinho Totoro (se for a edição japonesa do álbum) e - caso a edição seja internacional - Closer (Mais Perto; o arranjo de Tubular Bells composta por Mike Oldfield em 1973, que ganhou novos vocais, melodia e letra de Chris Braide, 40 anos depois). Por coincidência, tanto A Estrela (canção de Vitas em 2003, que ganhou minha versão oito anos depois) quanto Denka: Hoshizora no Akiko (tanto canção quanto CD de Kiyoshi Hikawa em 2002, um ano antes d' A Estrela de Vitas) antecederam o trabalho de Sarah Brightman, Dreamchaser (tanto o CD quanto os shows) - e o meu trabalho também!

"Tô pronta pro amor pela primeira vez.
Pronta pro amor e sei que estou voltando pras estrelas.
Meu coração tá alçando voo,
Meus sonhos vivem, posso sentir isso."
- Sarah Brightman, "Closer

Falando nisso, faço minha parte: apontar uma estrela e alcançar meus desejos a serem realizados. E espero que você também faça o mesmo!