sábado, 17 de agosto de 2013

Nyah, a Sereia

Nyah (pronuncia-se "naya") é uma sereia que mora no fundo do oceano e que sonhava em conhecer sua cara-metade da superfície. Ela tinha a beleza de uma princesa encantadora e a mais doce voz de todo o território submarino da Atlântida, seu lugar natal. Já se apaixonou pelos humanos três vezes ao longo dos anos. 
A sereia Nyah queria se apaixonar por um humano certo e passava o tempo todo explorando tesouros.
Certa vez Nyah foi nadando até a superfície para ver um iate! A bordo, o pessoal estava comemorando o aniversário de um lindo rapaz chamado Bruno, mestrado em biologia marinha da Universidade Católica de Santos, e Nyah observava tudo aquilo maravilhada.
Logo um temporal de chuvas e trovoadas começaram a surgir. O balanço das ondas do mar viraram o iate e Bruno foi jogado ao mar. Nyah nadou depressa para salvá-lo e o empurrou em direção à praia.
Nyah, ao notar que Bruno estava respirando por um milagre, comemorou. Ela olhou fixamente para Bruno e se apaixonou naquele momento. Enquanto ela cantava, os olhos dele se abriram. Os dois começaram a se apaixonar quando de repente um amigo apareceu, Nyah pulou na água e se escondeu atrás de uma pedra. Viu quando Bruno foi embora dali. Só Nyah voltou pra casa quando os perdeu de vista.
Seu pai Aztlan, porém, descobriu tudo, e não demorou muito para que ele, furioso da vida, desse uma lição à sereia Nyah: ele resolveu detonar todos os tesouros dos humanos!
Com o coração partido, Nyah sentou e chorou. De súbito, porém, Nyah encontrou um colar de safira com pérolas e ela o pegou sem ninguém saber. O que ninguém tinha noção era que o colar pertencia a Lady Marsha, uma terrível sensitiva da superfície, cujo plano é fazer Nyah se apaixonar por Bruno (o bilhete que estava no colar dizia que se Nyah não beijar apaixonadamente o Bruno, ela poderá ser sequestrada por Marsha e será feita refém). Nyah ficou com medo, mas ao pensar em Bruno, acabou adquirindo o colar. Minutos depois, ela já estava nadando na superfície do mar como sereia e como humana caminhando pela praia. 
Bruno estava procurando por toda a parte pela mulher com uma linda voz que o resgatara. Quando viu aquela linda mulher, reparou na imagem: era uma garota dos cabelos longos e ruivos, tiara de conchas na testa e olhos da cor água-marinha e corpo sensual. Ela parecia familiar, mas quando ele se aproximou, nem deu pra acreditar no que vira: era a mesma Nyah! 
Então, Bruno a levou para um luxuoso apartamento de frente para o mar, na Ponta da Praia em Santos, São Paulo. E, no dia seguinte, foram passear pela praia, pelo Ferry Boat e pelo Porto de Santos. Se divertiram muito juntos, e Nyah tinha certeza que ela e Bruno estavam apaixonados um pelo outro. 
Mais tarde, enquanto passeavam pelo Deck Pescador, Bruno e Nyah se beijavam e tentaram se abraçar, mas, naquele momento, Marsha soprou um vento forte, então eles caíram na água. Depois, Marsha, de roupas chiques, foi até o mesmo lugar, onde os dois estavam.
Assim que Bruno viu essa moça, ele tentou se aproximar dela, mas Nyah interveio e impediu Marsha de pegar Bruno pelo braço. Naquele caos, o colar que Nyah usara se quebrou e voltou para sua verdadeira dona e a própria Marsha recuperou seu colar quebrado. Finalmente Nyah se livrou do feitiço do colar! E Bruno e Nyah se abraçaram. Quando ela ia beijá-lo, o sol se pôs no horizonte oeste.
Sem mais tempo, Nyah foi sequestrada por Marsha quando de repente Aztlan apareceu diante delas. 
Foi quando Bruno viu uma batalha em alto mar. Aztlan pediu a Bruno para que jogasse uma concha de madrepérola e uma bomba contra Marsha, e foi no que fez: para salvar Nyah, ao usar toda a sua força, mirou a "madrepérola explosiva" direto para Marsha, que morreu logo em seguida em um acidente náutico, um acidente de lancha que se explode em alto mar.
Aztlan viu o olhar apaixonado de Nyah para Bruno, que estava deitado na praia. Aztlan lamenta: "Nyah o ama mesmo. O problema é que eu vou sentir muito a falta dela." Então Aztlan concedeu a Nyah o seu grande desejo: estar com Bruno para sempre no fundo do mar. Eufóricos, Bruno e Nyah correram para os braços um do outro e em seguida foram nadar em pleno mar, apaixonados um pelo outro. Aztlan, muito feliz, abençoou Nyah e Bruno, pois sabia que os dois seriam dois amantes submarinos e apaixonados em pleno fundo do oceano.
 
 

Baixar audiolivro em Mp3 pelo 4shared


Baixar audiolivro em Mp3 pelo Mediafire
 
 
 

Trívia:

Nyah, a princesa dos Sete Mares, apareceu pela primeira vez no episódio de Fantasy Island (ABC, 1977-1984, 157 episódios), "A Sereia/A Vítima" (1979).  Nyah (interpretada por Michelle Phillips) voltaria mais tarde nos dois episódios do mesmo, "Os Ases Voadores/A Volta da Sereia" (1980) e "A Sereia e o Casamenteiro" (1984). O sucesso da sereia foi tanto que eu mesma resolvi criar uma "spinoff" só dela - e um conto recém-escrito por mim (e baseado no conceito de Aaron Sperling e cia.), combinado a ideias de ganhar inspiração com base em A Pequena Sereia de Hans Christian Andersen, Rusalka de Antonin Dvorak, o filme russo A Sereia (Rusalka, 2007), a série australiana H2O: Just Add Water e os três episódios de Fantasy Island com Nyah. Neste conto, Nyah é uma sereia que se apaixona por Bruno, um habitante de Santos, em meio aos obstáculos que podem ser superados com facilidade.

Este conto também contém premissas dos mesmos três citados acima. O enredo do livro A Pequena Sereia talvez fosse a inspiração para a cena de amor entre a sereia Nyah e o humano Bruno, que se apaixonam logo em seguida.

O tritão Aztlan, pai de Nyah, o santista Bruno e a terrível vidente Marsha foram criados para contracenar com a sereia Nyah. E o cenário, desde o fundo do mar até a superfície (sobretudo em Santos, São Paulo), é ambientado nos dias de hoje.

A imagem do palácio de Nyah visto no fundo do mar é, na verdade, um cenário submarino de um dos lugares submersos da Atlântida, situada no Oceano Atlântico Norte, entre as ilhas Bermudas e o Caribe. O resto do que sobrou da Atlântida se submergiu há mais de 12.000 anos (conforme dizem por aí).

Esse é o terceiro conto submarino (ou ambientado no mar) depois de A Garota e o Golfinho e A Garota do Fundo do Mar, ambos da minha autoria também.